ENEARTE VIX

Paradoxo, travessia e fruição.

Eis o território do 17º Encontro Nacional dos Estudantes de Artes.

Reminiscente o tema quando se trata de arte, em que os paradoxos são frequentes, as fruições, inevitáveis, e as travessias surgem ante a possibilidade de se articular a realidade corrente, de modo a transformá-la.

No encalço dos meios paradoxais da arte, que por vezes traz a efemeridade como ápice da obra, mas ao mesmo torna perene o artista que a produz, o encontro pretende estimular o debate acerca dos processos/travessias da produção contemporânea, que é permeada de contradições sociais, políticas e éticas.

A despeito da estranheza que uma obra possa causar, a fruição é inevitável, da parte do espectador ou do profissional das artes, seja por que meio for, quando menos pelo debate.

Essa, sem dúvida, é uma das facetas da arte do nosso tempo em sua ininterrupta travessia.

Paradoxal? É o que se pretende discutir.

Travessia? É da essência, não só da arte, mas também da sede do evento.

Fruição? Uma das consequências do encontro.

Sejam bem vindos à ilha de Vitória.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *